04 junho 2007

Só dói quando eu Rio (Moacyr Luz e Aldir Blanc)



Só fico à vontade
Na minha cidade
Volto sempre a ela
Feito criminosa
Doce e dolorosa
A minha história
Escorre aqui

Há quem não se importe
Mas a Zona Norte
É feito cigana
lendo a minha sorte
Sempre que nos vemos ela diz
Quanto eu sofri

E Copacabana
A linda meretriz-princesa
Loura mãe-de-santo
Com sua gargantilha acesa

Ela me ensinou pureza e pecado
A respiração do mar revoltado...
Rio de Janeiro
favelas no coração

3 comentários:

Anônimo disse...

De muito bom gosto o seu blogger. Parabéns. Ana Paula Felizardo. Gostei muito da canção outonal do Lorca e postei no fotolog fragmentos poéticos. Um abraço,
Ana Paula Felizardo

Alexandre Core disse...

Ana Paula,

Obrigado pela visita e pelo comentário. Deixe o endereço do seu fotolog. Por acaso você é a moça que recebeu o Prêmio Cláudia 2005?

Um abraço,
Alexandre Core

moacyr luz disse...

fiquei orgulhoso..rs..gostei. sobre o Rio, temos tantas...
moa